terça-feira, 5 de abril de 2011

Sinopse do livro Mokolóton, o extraterrestre

Louco por explorar o desconhecido planeta, Mokolóton desce da montanha e entra na nave



Só que, antes de começar sua jornada, entra na nave e aperta um botão.

Abriu-se um compartimento. Dentro dele estava um pequeno robô. Ligou-o. O andróide abriu os olhos, olhou para os lados, se levantou e o cumprimentou: 

- Bom dia, Príncipe? Onde estamos?

- Bom dia, Doge. Estamos no planeta Terra (nome fictício).

- No planeta Terra? Uuhu! Então, viajamos muito?!

- Sim. Fizemos uma viagem extrassolar.

- Extrassolar!? Puxa vida! Você não precisou de ajuda?

- Não.

- Legal, Príncipe!! – Doge deu até um pulinho, de alegria. - Como é o planeta Terra?

- Muito bonito. As árvores são verdes. Só tem um sol e uma lua.

- Só tem um sol e uma lua?! E as árvores são verdes? Então este planeta deve ser lindo, Príncipe! Será que as pessoas projetam só uma sombra quando andam?

- Sim, porque só um lado delas é iluminado pelo sol. E quando ele está no meio do mundo, decerto a sombra delas se projeta ao redor delas mesmas.

- Interessante! Mas como você sabe disso?

- Não sei. Inventei.

Mokolóton riu e se corrigiu logo em seguida:

- É mentira, Doge. Eu calculei quando chegamos. E confirmei agora há pouco lá do alto do monte.

- Legal. Será que o planeta Terra tem crianças também?

- Se for habitado como imagino, tem.

- Será que eu posso brincar com elas?

Mokolóton riu.

"Esse aí também só pensa em brincar. É no que dá um robô com personalidade infantil", disse a si próprio.

Doge olhou para o monitor de vídeo e disse:

- Abrir.

Uma porta se abre mostrando um forno.

Coloca dentro do forno uma embalagem e diz: - Fechar.

A porta se fecha.

Em segundos, uma voz feminina informa: - Operação concluída.

A porta se abre logo em seguida.

Doge retira a embalagem e a entrega para o Príncipe:

- Pronto, Príncipe. Aqui está seu lanche matinal.

- Muito obrigado, Doge - Mokolóton agradece e sai da caverna.


Senta-se no chão, com as costas encostadas numa pedra. Sem descuidar da vigilância, come o conteúdo da embalagem.

Depois, entrou na nave e pôs uns objetos numa mochila; esta no ombro e disse ao robô:

- Mokolóton vai explorar o planeta. Doge fica vigiando a nave.

- Doge fica vigiando a nave – repetiu o robô, como se não tivesse gostado de sua missão.

- Muito bem. Qualquer contratempo, me comunique.

- Qualquer contratempo, Doge comunica – disse o robô, confirmando sua chateação por ficar.

- Bom menino. Pode jogar contra o computador, se quiser. Mas sem brigar com ele.

- Doge não briga com computador.

Mokolóton riu. Pois, além de brigar com o computador, Doge ainda pula e fala sozinho, principalmente quando perde.


Livro: Mokolóton, o extraterrestre
Autor: José Guimarães
Capa:
Juliana Tobar
ISBN: 978-85-7987-064-4


Onde comprar:

Mokolóton Extraterrestre no Hotmart

Siga Mokolóton no Twitter

Curta Mokolóton no Facebook

nrelate

Recomende no Google+